SOBRE O ESTUDO

PREMATURIDADE


O parto prematuro é todo parto que acontece antes das 37 semanas de gravidez. Estima-se que 1 a cada 10 nascimentos é prematuro no Brasil. Um bebê prematuro enfrenta diversas dificuldades e complicações decorrentes do nascimento antes dos 9 meses, como problemas respiratórios, intestinais, nutricionais, metabólicos e neurológicos. Esses problemas podem levar a sequelas para a vida toda, impactando na vida da criança, de sua família e de toda comunidade. Quanto mais prematuro, maior o risco de complicações ou óbito. Alguns fatores de risco são conhecidos para o parto prematuro como: já ter tido parto prematuro, sangramento vaginal, infecções, gestação gemelar, tabagismo, uso de drogas, colo do útero encurtado, trabalho de parto prematuro, obesidade ou baixo peso da mãe, ruptura precoce da bolsa amniótica, entre outros. Infelizmente, pouco se sabe sobre os mecanismos que acarretam o parto prematuro e poucas intervenções eficazes estão disponíveis para evitar sua ocorrência.

 


METABOLÔMICA

A metabolômica é uma ciência que identifica e quantifica o conjunto de metabólitos - chamado de Metaboloma - contidos em um indivíduo. O Metaboloma é composto por uma grande rede de moléculas do nosso corpo que, através de múltiplas vias e conexões, regem o seu adequado funcionamento. O funcionamento normal ou alterado do organismo pode ser identificado através desses componentes, podendo auxiliar no diagnóstico, cura ou prevenção de doenças. A identificação e quantificação do Metaboloma podem ser realizadas através da análise, por exemplo, do sangue e cabelo, tendo cada indivíduo um metaboloma único, como uma impressão digital. 



OBJETIVOS DO ESTUDO PRETERM SAMBA

O Estudo Preterm SAMBA estabelecerá um pioneiro biobanco de amostras de gestantes brasileiras, que auxiliará no diagnóstico mais precoce de uma das complicações gestacionais mais importantes para a saúde materna e perinatal: o parto prematuro espontâneo. A identificação de mulheres sob-risco de apresentar trabalho de parto prematuro poderia colaborar para a realização de intervenções precisas e oportunas capazes de reduzir a ocorrência de desfechos maternos e perinatais adversos relacionados ao parto prematuro. Esse tema tem aumentado sua importância no cenário brasileiro e mundial devido as impactantes consequências da prematuridade e grande dificuldade de predizer sua ocorrência.

 

O ESTUDO PRETERM SAMBA

O Estudo Preterm SAMBA realizará a coleta de amostras de sangue e cabelo de 1150 gestantes, divididas em 5 centros de diferentes estados do Brasil (Para maiores informações, acesse Centros Participantes). O Preterm SAMBA testará a eficácia de uma série de marcadores identificados em um estudo internacional, chamado SCOPE, que envolveu 5.690 mulheres da Nova Zelândia, Austrália, Irlanda e Reino Unido. Os centros participantes (CAISM/Unicamp, Hospital das Clínicas de Botucatu/UNESP, Hospital de Clínicas de Porto Alegre/UFRGS, Maternidade Escola Assis Chateaubriand/UFC e Hospital de Clínicas de Recife/UFPE) convidarão gestantes consideradas de baixo risco obstétrico e que nunca tiveram filhos a participarem do Estudo. Para maiores informações sobre os critérios para participar do Estudo Preterm-SAMBA, acesse Informações às Gestantes.


NOVAS POSSIBILIDADES

Através da criação do biobanco de amostras do Estudo Preterm-SAMBA, novos estudos poderão ser realizados para identificar marcadores para outras complicações durante a gravidez, como: diabetes mellitus gestacional, pré-eclâmpsia e restrição de crescimento intrauterino. Essa oportunidade, então, inaugurará uma nova era de pesquisas e avanços na saúde materna e perinatal brasileira.